Meio&Mensagem
Publicidade

Wave Festival

21 A 23 DE MAIO DE 2018 | HOTEL HYATT, BARRA DA TIJUCA - RIO DE JANEIRO - RJ

A onda hispânica norte-americana

Crescente participação das agências norte-americanas no festival é reflexo do fortalecimento do mercado hispânico dos Estados Unidos

Teresa Levin
14 de maio de 2018 - 15h51

Em abril do ano passado, quando foi realizada a 10ª edição do Wave Festival in Rio, as agências de publicidade instaladas nos Estados Unidos com trabalho voltado para o mercado hispânico saíram do evento como segunda força criativa da região. O Brasil somou 91 troféus (2 Grand Prix, 27 Ouros, 30 Pratas e 32 Bronzes) e os Estados Unidos, 37 (1 Grand Prix, 16 Ouros, 8 Pratas e 12 Bronzes). Além disso, após a brasileira AlmapBBDO, que manteve a liderança em todas as dez edições já realizadas, o pódio da edição de 2017 foi completado por Alma DDB, de Miami, em segundo, com 5 Ouros, 4 Pratas, 4 Bronzes, e We Believers, de Nova York, em terceiro, com o Grand Prix de Design, 6 Ouros, 1 Prata e 3 Bronzes. O prêmio principal da área de Design foi para uma embalagem 100% comestível e biodegradável da Saltwater Brewery, que usava ingredientes de fabricação de cerveja, como cevada e trigo — com o objetivo de alcançar o desperdício zero.

O resultado confirmou um movimento que se intensificou nas últimas edições do Wave, reflexo do fortalecimento do mercado hispânico dos Estados Unidos, que passou a ser aceito como concorrente na 6ª edição do festival, em 2013. Para os profissionais que lá atuam, essa evolução é real e acontece a passos largos, acompanhando um segmento de público que, ao mesmo tempo em que cresce numericamente, muda seus gostos, preferências e a forma de consumir mídia. Se antes as ações publicitárias com foco nesta população eram voltadas para pessoas que nasceram em países latino-americanos e migraram para os Estados Unidos, vindas de países como Cuba, México, Porto Rico e República Dominicana, entre outros, hoje já há uma ampla gama de consumidores que integram a segunda e terceira gerações destas famílias e que nasceram em território norte-americano.

Em sua maior parte, ainda se comunicam em espanhol, mas prioritariamente usam o inglês e consomem conteúdo não mais exclusivamente em veículos criados com foco na comunidade hispânica. “O desafio de trabalhar para o mercado hispânico é acompanhar a rápida evolução desse público. Muitas das previsões que foram feitas anos atrás não se concretizaram”, observa Luciana Cani, brasileira que é vice-presidente senior e diretora executiva de criação da Lapiz, agência do grupo Leo Burnett, sediada em Chicago. Para ela, basta um olhar para os hispânicos que migraram para os Estados Unidos e para as gerações nascidas no país para observar grandes diferenças comportamentais. “Há tempos, pensou-se que ocorreria um natural blend com a cultura americana. Porém, isso nunca aconteceu como foi imaginado”, avalia. Esta última geração, nascida e criada nos Estados Unidos, é uma mistura de dois mundos, mas com uma grande ligação com as raízes latinas, acredita a executiva. “Isso trouxe interessantes desafios para o mercado: temos que ir além de língua ou raça para segmentar estes consumidores”, diz, lembrando que eles falam espanhol, mas muitos sentem-se mais confortáveis com o inglês. “São nascidos nos Estados Unidos, mas são latinos. Toda esta complexidade tem que ser levada em conta na hora de comunicar de forma relevante com este público”, frisa.

Há quem veja a situação de uma outra forma, em um caminho cada vez mais de inclusão, na qual, brevemente, não existirá uma segmentação de um mercado hispânico. Daniel Perez Pallares, diretor executivo de criação da The Community, de Miami, conta que a agência não gosta de separar os diversos públicos. Isso por não acreditar que as marcas devam abordar pessoas por sua etnia. A crença é a de que o mercado hispânico inclusive desaparecerá com o tempo. “Nosso desafio é encontrar o aspecto multicultural dessas pessoas e entender para onde elas estão indo, não de onde elas vieram”, alerta, lembrando que é fundamental ter cuidado com uma trilha muitas vezes óbvia que leva a comunicação para clichês dos mariachis e das avós latino-americanas.

Ele cita como exemplo de trabalho criado pela The Community que deixa este caminho de lado a campanha de lançamento da cerveja Corona Familiar, desenvolvida pelo vice-presidente e diretor executivo de criação Ricky Vior e seu time. “É um bom exemplo da qualidade que um trabalho deve ter, sem clichês e com um senso de identidade hispânica”, conta. Nos próximos dias 21 a 23, Daniel Perez Pallares será um dos profissionais atuantes nos Estados Unidos que integrarão os júris do Wave Festival 2018. Ele irá presidir o julgamento da área de Digital.

Publicidade

Compartilhe

Comente

“Meio & Mensagem informa que não modera e tampouco apaga comentários, seja no site ou nos perfis de redes sociais. No site, quando o usuário ler a indicação Este comentário foi apagado’ significa que o próprio comentarista deletou o comentário postado. Não faz parte da política de M&M gerenciar comentários, seja para interagir, moderar ou apagar eventuais postagens do leitor. Exceções serão aplicadas a comentários que contenham palavrões e ofensas pessoais. O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade civil e penal do cadastrado.”

Patrocínio

Apoio

Realização